A Ministério de Relação Exteriores da Rússia afirmou nesta quinta-feira que a Rússia matou, mata e matará os terroristas na Síria, na véspera da cúpula de Teerã entre Rússia, Irã e Turquia, na qual será abordada a situação em Idlib, o último reduto insurgente na Síria.

"Devemos restaurar a paz em Síria", declarou Maria Zakharova, porta-voz do Ministério de Exteriores, em um seminário da ONU para a imprensa sobre a paz no Oriente Médio.

Zakharova afirmou que se "há dois anos a Rússia não tivesse tomado a decisão que ao final tomou, agora lá não haveria ninguém para defender".

"Então, o Estado Islâmico estaria sozinho lá. A direita e esquerda, em cima e abaixo. Por todas as partes. Um autêntico Estado terrorista", continuou a porta-voz.

Ela acrescentou que, em tal caso, essa situação teria se propagado também "aos países vizinhos", com os quais os jihadistas teriam unificado todo o "potencial terrorista" e ocupado "toda a região" de Oriente Médio.

A porta-voz da diplomacia russa já afirmou ontem que Moscou se nega "a deixar tranquilos os terroristas" em Idlib, como propõem alguns países, já que os jihadistas mantêm como reféns nessa cidade "milhões de pessoas".

"Não pode haver paz com os terroristas. Aos seguidores de Al Qaeda entrincheirados na região de Idlib não se pode dar a possibilidade de se sentirem seguros e exportar o terrorismo para a região e o resto do mundo", concluiu Zakharova.

EFE